Arquivo da tag: paraná

Foz do Iguaçu – Dicas de compras no Paraguai e Argentina

20171105_145251

Última viagem: 10/2017

Um dos programas imperdíveis dos turistas em Foz do Iguaçu é ir em busca dos preços baixos de bebidas, perfumes, brinquedos e eletrônicos no Duty Free de Puerto Iguazú, na Argentina e principalmente em Ciudad del Este, no Paraguai.

A seguir passo algumas dicas de compras, baseadas em minha própria experiência e sem qualquer vínculo com as lojas citadas.

Paraguai

Desde que abriram os grandes shoppings em Ciudad del Este, estes passaram a ter a minha preferência pelo ambiente, comodidade e segurança (física e qualidade dos produtos oferecidos) em relação às cansativas e perigosas caminhadas pelas ruas da cidade, constantemente sendo interceptado pelos insistentes camelôs e ambulantes. Somente entro nas pequenas lojas de rua quando preciso buscar algum item muito específico. Claro que esta dica não vale para todos, pois tem muito turista que ama circular pela loucura que é esta cidade.

Histórias de pessoas enganadas nas lojas de Ciudad del Este são muitas, seja por itens falsificados/remanufaturados, troca de produtos na embalagem ou golpes que fazem o consumidor pagar mais caro que o produto vale. Confira e teste sempre o que está comprando.

Não vale à pena buscar referência de preços em mais do que 2 ou 3 lojas, pois são muito parecidos e se achar um valor muito menor, desconfie, principalmente em pequenas lojas. Esta comparação de preços pode ser feita nas grandes lojas que cito neste post (algumas lojas disponibilizam preços no site). Valores também podem ser consultados previamente no site Compras Paraguai.

Sempre contratamos uma van ou táxi que nos aguarda durante o período de compras no estacionamento do Shopping Del Este, logo na entrada do Paraguai, à esquerda de quem chega. Facilita muito o retorno para fugir de eventuais engarrafamentos.

No Shopping Del Este indico as lojas La Petisquera e Macedônia, que também possuem lojas de rua, principalmente para bebidas e perfumes. As bebidas sempre compro no final das compras em uma dessas lojas e levo direto para o carro, para evitar ficar circulando com peso.

Ao lado do Shopping Del Este (pode-se sair pelo estacionamento) está o novo Shopping Paris, com destaque para as lojas de decoração e artigos para casa, praça de alimentação (sempre almoçamos lá) e o Shopping China Importados, uma loja de departamentos que tem de tudo e ocupa um andar inteiro do Shopping Paris.

Destaco também as lojas de departamentos Cellshop, um pouco mais distante (15 minutos de caminhada rua acima) e Monalisa, ao lado da Cellshop, onde você encontra algumas marcas de cosméticos que não encontra em outras lojas.

Outras 2 lojas grandes de destaque: Casa China e Casa Americana, do outro lado da avenida principal e próximas da Monalisa. A Casa Americana está no no Shopping Americana, onde estão outras lojas. Cuidado com eletrônicos nas lojas menores deste shopping. Já tentaram me enganar em uma delas.

Para eletrônicos, minha preferida é a Casa Nissei, com vendedores brasileiros e uma variedade bastante grande. Após pagar e pegar suas compras, tem pessoal para testar os produtos.

Fica atento aos horários de abertura das lojas. Os shoppings abrem também aos domingos, que é o dia mais tranquilo para se atravessar a fronteira.

Argentina

O Dutty Free de Puerto Iguazú, localizado antes da aduana argentina, é lindo e com vários setores: brinquedos, loja Nike, eletrônicos, perfumaria, bebidas, guloseimas, etc. Produtos com garantia e qualidade.

Salvo um ou outro item, os preços geralmente são um pouco maiores que no Paraguai, mas é a solução para quem não tem tempo ou paciência para atravessar a Ponte da Amizade. Além disso, oferece transporte gratuito de alguns hotéis de Foz do Iguaçu.

Prepare-se para longas filas no caixa nos finais de semana e feriados. Pode-se perder mais tempo nas filas do que nas compras.

Lembretes importantes:

  • A cota de isenção de compras no Paraguai e Argentina, para quem retorna de carro ou avião de Foz do Iguaçu é de US$ 300 por pessoa, não cumulativa (maiores informações aqui).
  • Itens proibidos de compra: cigarros e bebidas produzidos no Brasil e destinados para venda no exterior; bens cuja quantidade, natureza ou variedade indiquem intuito comercial ou uso industrial; substância entorpecentes ou drogas; remédios; armas e munições; bebidas alcoólicas, cigarros, fumo e itens semelhantes para menores de 18 anos; bens ocultos com finalidade de burlar a fiscalização

E você? O que acha das lojas citadas? Alguma dica?

 

Trilhas dos Mananciais da Serra – Município de Piraquara

20161119_155017
Represa do Carvalho
Data do passeio: 11/2016

Em um final de semana por mês (geralmente o segundo final de semana, com exceção de janeiro), a cerca de 35 kms de Curitiba, junto ao Parque Estadual do Marumbi, na Serra do Mar, as trilhas para os Mananciais da Serra são abertas para visitação. A entrada e estacionamento são gratuitos.

O complexo Mananciais da Serra, mantido pela Sanepar, abriga o conjunto de reservatórios que abasteceram Curitiba a partir de 1908. Foi o primeiro sistema de captação e abastecimento público do Paraná, composto por 17 reservatórios interligados, que levavam água até o Reservatório do Alto São Francisco, na capital, através de uma adutora de 38 km. Curitiba recebeu água exclusivamente deste sistema até 1945, quando foi inaugurada a estação do Tarumã. Hoje abastece somente a Aldeia Indígena Araçaí, ao lado do complexo.

20161119_145217
Mapa com as trilhas

São 4 trilhas: da Chaminé, do Carvalho, do Salto e um pequeno desvio na trilha do Carvalho até a Gruta da Nascente. Para fazer todas as trilhas reserve 4 horas. Fiquei no local por cerca de 2 horas e 30 minutos e deixei de fazer a trilha da Chaminé, mas espero voltar para fazer e completar este post.

Dica: não há lanchonete no local. Levar água e lanche.

Trilha do Carvalho

A trilha do Carvalho mais o desvio até a Gruta da Nascente tem cerca de 2,5 km de extensão (ida) e é feita por uma estrada de terra. Tem subidas leves, mas a caminha é muito tranquila.

A atração da trilha é a Represa do Carvalho, o principal dos 17 reservatórios e um dos 2 liberados para visitação, junto com o reservatório Carvalhinho.

Na parte de trás da Represa do Carvalho há um acesso para o reservatório do Carvalhinho.

Os demais reservatórios, subindo a serra, fazem parte de um plano futuro e exigirá uma caminhada bem mais longa. Abaixo foto de um desses reservatórios, que fica um pouco adiante da Represa do Carvalho.

20161119_153421
Um dos reservatórios fora das trilhas de visitação

Desvio da Trilha do Carvalho até a Gruta da Nascente

Após visitarmos o Carvalho, fomos até a Gruta da Nascente, onde está localizada uma das nascentes do Rio Iguaçu.

Trilha do Salto

20161119_163530
Caixa do Salto

Por uma trilha de mata, bem conservada, de cerca de 1 km de extensão (ida), você chega à Caixa do Salto, uma represa de captação de água no Ribeirão do Salto.

No início da trilha está a Casa da Memória, que serviu de moradia aos trabalhadores que construiram as represas e foi destruida por incêndio há alguns anos.

Como chegar

A região é muito bonita e o caminho de Piraquara até o complexo já vale o passeio, passando pela Barragem Caiguava, na represa Piraquara 1 e no Centro de Educação Ambiental da Sanepar, onde há um mirante e outras trilhas que, assim como a trilha da Chaminé, ficarão para uma próxima visita.

Barragem Caiguava
Barragem Caiguava

O melhor caminho é ir até Piraquara e de lá seguir as placas do Caminho Trentino em direção aos Mananciais, passando pelo Posto da Guarda da Sanepar, Barragem Caiguava e Centro de Educação Ambiental. A partir daí são cerca de 5 kms até a entrada do complexo, mantendo a esquerda no primeiro entroncamento.

Google Maps: registrar Represa Carvalho Piraquara.

Waze: o local mais próximo que consegui registrar foi Centro de Educação Ambiental – Vila Fuck – Piraquara.

Site com datas de visita para 2016 (deve ser atualizado em breve com datas para 2017)

Horário: Sábados e domingos em um final de semana por mês,  com entrada das 08:30 às 16:00 horas. Às 17:30 os passeios são encerrados.

Fotos: Marcos Pereira

Teatro Ópera de Arame

20160327_190001

Considero o teatro Ópera de Arame um dos principais e mais bonitos pontos turísticos de Curitiba.

20160402_090619
Entrada
20160402_090755
Vista da Ópera de Arame a partir da entrada
20160402_090819
Ópera de Arame e sua passarela

Com capacidade para mais de 1500 pessoas, foi inaugurado em 1992 pelo urbanista e então prefeito Jaime Lerner. Chama atenção por sua construção em estrutura tubular e teto de policarbonato transparente. Para completar a beleza da obra, está localizado na cratera de uma antiga pedreira e é acessado por uma passarela sobre um lago cheio de carpas. Tem também uma cascata artificial, nas pedras, nem sempre funcionando.

20160402_090831_001
Cascata ao fundo ao lado das pedras (desligada)

O acesso ao interior do teatro é feito pelo piso superior.

20160402_091028
Interior do teatro
20160402_091051
Teto do teatro
20160402_091214
Vista a partir do teatro
20160402_091222
Passarela vista do teatro
20160402_091247
Detalhe da passarela

Está localizado no Parque das Pedreiras, ao lado do espaço cultural Paulo Leminski (Pedreira Paulo Leminski), bastante conhecido por abrigar importantes shows na capital paranaense, com capacidade para até 20.000 pessoas.

20160402_091624
Entrada da Ópera de Arame à direita, loja de souvenirs ao centro e entrada para a Pedreira Paulo Leminski à esquerda
20160402_090649
Loja de souvenirs

Aberto de terça a domingo, das 08:00 às 20:00 horas, com entrada gratuita. Estacionamento gratuito na entrada para poucos carros. Estacionamentos particulares próximos.

20160402_090631
Estacionamento com restaurante à direita

Tempo sugerido para visita: 30 minutos ou 1 hora, se for parar para um café na cafeteira Ópera Café, no piso inferior do teatro, ou compras na loja de souvenir na entrada, ao lado do estacionamento.

Como fica próximo ao Parque Tanguá e Universidade Livre do Meio Ambiente, sugiro uma visita aos 3 locais, o que você pode fazer, tranquilamente em cerca de 3 horas.

Se tiver a oportunidade de visitar no final da tarde ou ir a um espetáculo à noite, recomendo muito, pois, como visto na primeira foto deste post e nas fotos abaixo, a iluminação noturna deixa o lugar ainda mais bonito.

20160327_190212

20160327_214024

20160328_205407

20160327_190415

20160328_210035

Único defeito do teatro é que os assentos são desconfortáveis, o que atrapalha bastante nos espetáculos mais longos.

Para quem estiver de carro, sugiro os seguintes restaurantes nas redondezas: frutos do mar – Bar do Victor; carnes – Prime Grill e massas – Mangiatto Bene. Quem quiser uma refeição mais simples e rápida, tem restaurantes bem próximos à entrada do teatro, para ir a pé.

Fotos: Marcos Pereira

1o. Festival de Cerveja de Curitiba – Abril de 2016

Combo da Cervejaria Masmorra. Foto: Naty Schultz Fotografia / Divulgação

De 15 de abril a 01 de maio acontece o 1o. Festival de Cerveja de Curitiba. Durante 17 dias, 25 bares confirmados servirão mais de 40 combos de cerveja e petisco, a um preço fixo de R$ 19,90 o combo.

Veja relação dos participantes e combos aqui.

Qual o prato típico de Curitiba?

Carne de Onça
Carne de Onça – Mercearia Fantinato
Publicado em : 03/2016
Atualizado em: 10/2017

 

Há alguns anos, se você perguntasse a um curitibano, inclusive eu, qual o prato típico de Curitiba,  haveria grandes chances de receber como resposta o Barreado. O Barreado é um prato com diversas carnes temperadas, cozidas até desfiar, geralmente servido com farinha de mandioca (misturar até ficar bastante consistente), rodelas de banana-da-terra e arroz. Apesar de adorado pelos curitibanos e presente em restaurantes de Curitiba, o Barreado é um prato típico do litoral do Paraná e vamos deixar a briga sobre sua origem com as cidades de Antonina e Morretes.

Nos últimos anos vem ganhando força, e eu concordo, a divulgação da Carne de Onça como principal prato típico de Curitiba. Carne de Onça? Jura? Mas pode? Escutei muitas dessas perguntas quando tocava no assunto. Carne de Onça não tem nada a ver com o felino. Trata-se de carne bovina crua (geralmente patinho) processada e temperada com alho, cebola, cheiro verde, condimentos, conhaque e muito azeite de oliva, servida com broa ou pão preto, mostarda escura e manteiga.  As receitas podem variar, dependendo do bar, misturando, inclusive, ovo cru, para “dar liga”. O nome Carne de Onça, dizem, vem do hálito adquirido após seu consumo.

Você encontra a Carne de Onça em muitos bares de Curitiba. Entre as várias que experimentei, a que eu mais gosto é a servida na Mercearia Fantinato, preparada aos olhos do cliente. Isto certamente vai gerar discussão, pois há muitos locais onde a iguaria é elogiada. Há concursos para se escolher a melhor Carne de Onça de Curitiba. Veja este artigo do site da Gazeta do Povo sobre um dos concursos.

A Carne de Onça tem sua origem em um prato da culinária germânica, chamado de Mett ou Hackepeter (aportuguesado, Racapeta) que, ao contrário da Carne de Onça, é feito com carne suína. No sul do Brasil, principalmente na região de Blumenau, você encontra o prato Hackepeter, mas com carne bovina e geralmente misturando ovo cru (nada mais, nada menos que a nossa Carne de Onça).

Vir a Curitiba e não experimentar a Carne de Onça é como ir a Roma e não ver o Papa. É bom, mas não vai ficar completo.

Em alguns bares de Curitiba você também pode encontrar a Carne de Urso, que leva Linguiça Blumenau na receita. Linguiça Blumenau é um embutido de carne suína, também servida crua, com sabor marcante, oriundo de Santa Catarina. Veja aqui.

Há outros pratos em Curitiba que podem ser chamados de pratos típicos, como receitas que levam pinhão e o já famoso pão com bolinho. Bolinho? Sim, bolinho de carne, que o Curitibano adora. Aliás, colocar salgados dentro do pão é algo comum em Curitiba, sendo minha lembrança mais antiga o X-Pastel e o X-Montanha, do seu Zé (já falecido) e do Álvaro, proprietários da Lanchonete Montesquieu, perto da UTFPR (antigo Cefet), aberto até hoje fechado recentemente (dizem que o Álvaro está procurando novo local) e muito frequentado pelos estudantes da universidade. X- Pastel leva risoles no lugar do hamburguer e no X-Montanha ambos estão presentes.

Há festivais de pão com bolinho em Curitiba. Veja este post ou esta notícia.

Adoro bolinho de carne e já comi em vários lugares, sendo o meu preferido o do Bar do Pudim.

E você curitibano? Concorda comigo? Carne de Onça é o principal prato típico de Curitiba? Deixe sua opinião e me ajudem a atualizar este post.

Foto: Marcos Pereira