Todos os post de Marcos Pereira

Foz do Iguaçu – Dicas de compras no Paraguai e Argentina

20171105_145251

Última viagem: 10/2017

Um dos programas imperdíveis dos turistas em Foz do Iguaçu é ir em busca dos preços baixos de bebidas, perfumes, brinquedos e eletrônicos no Duty Free de Puerto Iguazú, na Argentina e principalmente em Ciudad del Este, no Paraguai.

A seguir passo algumas dicas de compras, baseadas em minha própria experiência e sem qualquer vínculo com as lojas citadas.

Paraguai

Desde que abriram os grandes shoppings em Ciudad del Este, estes passaram a ter a minha preferência pelo ambiente, comodidade e segurança (física e qualidade dos produtos oferecidos) em relação às cansativas e perigosas caminhadas pelas ruas da cidade, constantemente sendo interceptado pelos insistentes camelôs e ambulantes. Somente entro nas pequenas lojas de rua quando preciso buscar algum item muito específico. Claro que esta dica não vale para todos, pois tem muito turista que ama circular pela loucura que é esta cidade.

Histórias de pessoas enganadas nas lojas de Ciudad del Este são muitas, seja por itens falsificados/remanufaturados, troca de produtos na embalagem ou golpes que fazem o consumidor pagar mais caro que o produto vale. Confira e teste sempre o que está comprando.

Não vale à pena buscar referência de preços em mais do que 2 ou 3 lojas, pois são muito parecidos e se achar um valor muito menor, desconfie, principalmente em pequenas lojas. Esta comparação de preços pode ser feita nas grandes lojas que cito neste post (algumas lojas disponibilizam preços no site). Valores também podem ser consultados previamente no site Compras Paraguai.

Sempre contratamos uma van ou táxi que nos aguarda durante o período de compras no estacionamento do Shopping Del Este, logo na entrada do Paraguai, à esquerda de quem chega. Facilita muito o retorno para fugir de eventuais engarrafamentos.

No Shopping Del Este indico as lojas La Petisquera e Macedônia, que também possuem lojas de rua, principalmente para bebidas e perfumes. As bebidas sempre compro no final das compras em uma dessas lojas e levo direto para o carro, para evitar ficar circulando com peso.

Ao lado do Shopping Del Este (pode-se sair pelo estacionamento) está o novo Shopping Paris, com destaque para as lojas de decoração e artigos para casa, praça de alimentação (sempre almoçamos lá) e o Shopping China Importados, uma loja de departamentos que tem de tudo e ocupa um andar inteiro do Shopping Paris.

Destaco também as lojas de departamentos Cellshop, um pouco mais distante (15 minutos de caminhada rua acima) e Monalisa, ao lado da Cellshop, onde você encontra algumas marcas de cosméticos que não encontra em outras lojas.

Outras 2 lojas grandes de destaque: Casa China e Casa Americana, do outro lado da avenida principal e próximas da Monalisa. A Casa Americana está no no Shopping Americana, onde estão outras lojas. Cuidado com eletrônicos nas lojas menores deste shopping. Já tentaram me enganar em uma delas.

Para eletrônicos, minha preferida é a Casa Nissei, com vendedores brasileiros e uma variedade bastante grande. Após pagar e pegar suas compras, tem pessoal para testar os produtos.

Fica atento aos horários de abertura das lojas. Os shoppings abrem também aos domingos, que é o dia mais tranquilo para se atravessar a fronteira.

Argentina

O Dutty Free de Puerto Iguazú, localizado antes da aduana argentina, é lindo e com vários setores: brinquedos, loja Nike, eletrônicos, perfumaria, bebidas, guloseimas, etc. Produtos com garantia e qualidade.

Salvo um ou outro item, os preços geralmente são um pouco maiores que no Paraguai, mas é a solução para quem não tem tempo ou paciência para atravessar a Ponte da Amizade. Além disso, oferece transporte gratuito de alguns hotéis de Foz do Iguaçu.

Prepare-se para longas filas no caixa nos finais de semana e feriados. Pode-se perder mais tempo nas filas do que nas compras.

Lembretes importantes:

  • A cota de isenção de compras no Paraguai e Argentina, para quem retorna de carro ou avião de Foz do Iguaçu é de US$ 300 por pessoa, não cumulativa (maiores informações aqui).
  • Itens proibidos de compra: cigarros e bebidas produzidos no Brasil e destinados para venda no exterior; bens cuja quantidade, natureza ou variedade indiquem intuito comercial ou uso industrial; substância entorpecentes ou drogas; remédios; armas e munições; bebidas alcoólicas, cigarros, fumo e itens semelhantes para menores de 18 anos; bens ocultos com finalidade de burlar a fiscalização

E você? O que acha das lojas citadas? Alguma dica?

 

1 Dia no Algarve – Bate e Volta de Lisboa

 

IMG_6561

Data da viagem: 08/2016

No planejamento da viagem à Portugal, vimos fotos maravilhosas de praias no sul, na região do Algarve, porém não teríamos tempo para explorar adequadamente a região. São 133 praias no Algarve, entre outras atrações. A solução encontrada foi alugar um carro e fazer bate e volta a partir de Lisboa e aproveitar o que fosse possível. Certamente cansativo, cerca de 300 km de distância, mas acreditávamos que valeria a pena. Acertamos.

Concordamos em visitar não mais que 3 lugares, para podermos aproveitar um pouco da praia. Escolhemos Ponta da Piedade, Praia do Camilo e Benagil.

Primeira parada: Ponta da Piedade, um monumento natural turístico com várias formações rochosas em arenito, na cidade de Lagos, que já foi considerada a região de praias mais bonita do mundo. O vento e as ondas do mar desenharam caprichosamente as falésias.

Deixamos o carro no amplo estacionamento do local, gratuito. Ao lado encontra-se um farol, fechado ao público, restaurante/lanchonete e pequenas lojas. Pode-se passar horas ali caminhando no alto das falésias e observando as formações rochosas e as praias próximas.

Há uma escadaria de cerca de 200 degraus até a base das falésias, onde estão os barcos que fazem o passeio pela região, saindo dali ou da marina de Lagos.

IMG_6546
Escadaria que leva à base das falésias

Pelo pouco tempo disponível, não fizemos este passeio de barco pelas famosas grutas do Algarve, disponível também em Benagil. Vai ficar para a próxima.

Dali fomos de carro até o alto da maravilhosa Praia do Camilo, a cerca de 800 metros e estacionamos na estrada. Pode-se ir à pé tranquilamente em cerca de 10 minutos. Disse ao alto da Praia do Camilo, pois para chegar à praia há uma grande escadaria com cerca de 220 degraus. Vale cada degrau.

Na praia não há lanchonete ou qualquer infraestrutura. Leve o que precisar para todo o período que passar lá, pois se esquecer algo não vai querer voltar para buscar.

O topless é livre.

A praia é dividida por uma falésia com uma gruta ligando as 2 partes.

Dali fomos até a Praia Dona Ana, cerca de 1 km, e tiramos algumas fotos do alto. Não conseguimos achar local adequado para estacionar. Estava lotada. Percebe-se fácil que é uma praia maior que a Praia do Camilo e com infraestrutura bacana.

Seguimos para a Praia de Benagil, com parada rápida para almoço no McDonald’s da cidade de Portimão.

A Praia de Benagil fica no município de Lagoa. Chega-se de carro muito próximo à praia, mas estacionar é outra história. Certamente vai ter que caminhar rua abaixo.

No local há lanchonete e pontos de apoio para comprar passeios de barco para o famoso Algar de Benagil, gruta com acesso de barco e com um buraco circular na parte de cima. Veja fotos aqui. Não tivemos oportunidade de visitá-la.

IMG_6652

Saímos da Praia de Benagil ainda com sol e podíamos caminhar até o buraco do Algar de Benagil no alto das falésias (menos de 1 km), porém optamos por ir até a famosa Praia da Marinha, a cerca de 3 km dali.

Conseguimos parar no estacionamento, vazio pelo horário, mas vimos muitos carros estacionados a uma boa distância de caminhada. Não descemos a falésia até a praia, mas conseguimos boas fotos do alto.

Cansados e satisfeitos, retornamos a Lisboa.

Fotos: Marcos Pereira

 

Parque Malwee – Principal Atração de Jaraguá do Sul

1 - 20171027_152521_resized

Data da viagem: 10/2017

O Parque Malwee, inaugurado em 1978 e mantido pelo Grupo Malwee, é a principal atração da cidade de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina.

Apesar de ser um local privado e super bem cuidado, a entrada é gratuita.

Parque muito bonito, com vários lagos e 1,5 milhão de m2 de área preservada. Excelente para caminhadas, também pode ser percorrido totalmente de carro, com paradas para observar os principais pontos.

Dentro do parque estão localizados o Museu Wolfgang Weeg, com detalhes da cultura típica da região e o Restaurante Típico General Küster, com um buffet completo de comida típica alemã, incluindo sobremesa. O restaurante é considerado o melhor de Jaraguá do Sul pelo Tripadvisor. Gostamos muito.

Fotos: Marcos Pereira

ROTA DAS EMOÇÕES – Paisagens deslumbrantes, aventura e ecoturismo

Data da viagem: 07/2017

Quando resolvemos viajar em julho e decidido que seria no Brasil, comecei a pesquisar destinos recomendados para essa época do ano e chegamos aos Lençóis Maranhenses e Jericoacoara. Daria para conhecer os 2 na mesma viagem? Como chegar e ir de um lugar ao outro? Descobri, então, que havia uma rota turística ligando esses destinos por água e terra, passando ainda pelo Delta do Parnaíba, com entrada/saída pelos aeroportos de São Luís e Fortaleza (ainda não havia possibilidade de entrada pelo aeroporto de Jeri): a Rota das Emoções.

Rota das Emoções é o nome dado ao circuito que envolve 3 paraísos naturais em 3 estados do Nordeste brasileiro: Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses (MA), Área de Proteção Ambiental do Delta do Parnaíba (PI) e o Parque Nacional de Jericoacoara (CE).

Há várias sugestões de roteiros envolvendo os 3 destinos, dependendo da quantidade de dias disponíveis e do interesse pessoal. Entrei em contato com algumas agências recomendadas no site da rota e, após muita pesquisa e troca de emails, acabamos escolhendo a Natur Turismo, de Parnaíba, o que se mostrou uma escolha acertada, com toda a assessoria antes e durante o trajeto de São Luis até Jericoacoara, trecho em que contratamos os serviços da empresa. Apesar da Natur também disponibilizar os hotéis, acabei reservando à parte, pelo booking, usando uma agência em Curitiba ou ligando diretamente aos hotéis, sempre em busca dos melhores valores e condições.

A decisão de contratar uma agência foi uma garantia de que faríamos todos os principais passeios, alguns privados, e todos os traslados necessários em um período de alta temporada. Você pode escolher fazer tudo por conta própria, adquirindo os passeios e traslados diretamente nos hotéis (as opções são muitas e há muita oferta de serviços), mas não quis correr esse risco sem ter conhecimento prévio da região. Apesar de, provavelmente, ter pago um pouco mais caro, gostei muito da escolha que fiz, pois ganhei muito tempo relaxando, não tendo que me preocupar em contratar passeios para o dia seguinte. A Natur, no dia anterior, por Whatsapp, me confirmava o roteiro e horários, sempre de forma impecável.

Nos posts seguintes detalho nossa viagem de 13 dias pela Rota das Emoções, que incluiu ainda alguns dias em Manaus, antes de voltarmos a Curitiba.

Fotos: Marcos Pereira

Trilha Morro Dois Irmãos – Paisagem com Aventura

Morro Dois Irmãos visto da Praia de Ipanema
Morro Dois Irmãos visto da Praia de Ipanema
Data da viagem: 03/2017

O que não faltam no Rio de Janeiro são vistas maravilhosas. As mais famosas são as do alto do Pão de Açúcar e do Corcovado. Como já fui em ambos várias vezes, procurei algo diferente para o final de semana na Cidade Maravilhosa. Optei pela vista do alto do Morro Dois Irmãos. Para chegar lá, diferente das famosas atrações, tem que ter espírito de aventura, exigindo um bom esforço, que é recompensado por um visual incrível e sentimento de vitória.

Fizemos o passeio com o pessoal da Trilha Dois Irmãos, com guias moradores do Vidigal, a um custo de R$ 69 por pessoa, que inclui a kombi até o início da trilha, no alto do Vidigal. O passeio compreende a trilha até o Morro Irmão Maior e um tour, a pé, pela comunidade.

Você até pode fazer a trilha por conta própria (subindo até o início da trilha com a kombi ou moto-táxi – algo em torno de R$ 6 ida e volta), como a maioria do pessoal faz, mas sugiro que só o faça se estiver com alguém da comunidade ou que já tenha feito a trilha anteriormente. Me senti muito seguro estando com o guia, principalmente no tour pela comunidade.

Tour agendado, nos encontramos com o guia em frente ao Hotel Sheraton, na Avenida Niemeyer, às 08:00 horas. Dali caminhada até a entrada do Vidigal (5 minutos), subir o morro de kombi (menos de 10 minutos) e seguimos para o início da trilha.

20170311_080315
Entrada do Vidigal. Ao fundo nosso destino: Morro Irmão Maior

Dica: compre água antes da subida, pelo menos 2 garrafinhas por pessoa. Você vai precisar e muito. Nos finais de semana você vai encontrar pessoal vendendo água na primeira parada (são duas) e no alto do morro, mas é melhor se prevenir.

20170311_081631
Subindo o Vidigal com a kombi

A trilha é informada como de fácil acesso, mas eu a classificaria como dificuldade média. Há alguns trechos bastante íngremes, que só se consegue vencer segurando nos galhos das árvores (vale para a descida também) ou com alguma ajuda, porém nada que alguém como eu, que pratica pouco exercício físico e com 50 anos, não possa superar. O problema foram os 3 dias seguintes, com dores intensas nas pernas. O esforço valeu muito a pena.

O passeio todo dura cerca de 4 horas. A trilha de 1,5 km leva cerca de 1 hora e 15 minutos para subir, incluindo as 2 paradas, praticamente obrigatórias, para descansar um pouco, observar o visual e muitas fotos.

Fotos de partes íngremes da trilha

 Fotos na primeira parada, após 10 minutos de caminhada

Praia de São Conrado e Pedra da Gávea
Praia de São Conrado e Pedra da Gávea
Favela da Rocinha
Favela da Rocinha

Fotos na segunda parada (mais 15 minutos de caminhada)

Pedra da Gávea e Favela da Rocinha
Pedra da Gávea e Favela da Rocinha

No alto do morro (mais 20 minutos de caminhada)

20170311_095022

Ao término da descida da trilha, passeio pela comunidade do Vidigal. O esforço físico não acabou. Prepare-se para escadas e mais escadas em cerca de 40 minutos de descida.

Fotos: Marcos Pereira

Compras em Miami – Outlets – Sawgrass ou Dolphin?

Dolphin Mall - site - Divulgação
Dolphin Mall – site – Divulgação

Apesar da cotação do dólar não estar ajudando muito, fazer compras no Estados Unidos, na maioria das vezes, ainda vale muito a pena e Miami é um dos principais destinos de compras dos brasileiros.

Há excelentes e grandes centros de compras na região de Miami. Podemos separá-los entre os shoppings “normais”, com as tradicionais grifes e lojas de departamento, que vendem os lançamentos da estação, como o Dadeland Mall e o Aventura Mall, e os outlets, com muitas das grandes e conhecidas lojas, mas com saldos das coleções anteriores a preços mais que convidativos. Entre os outlets destacam-se o Sawgrass Mills e o Dolphin Mall.

O objetivo deste post é ajudá-lo a escolher entre o Sawgrass e o Dolphin, baseado em minha experiência de algumas visitas a esses dois outlets.

Sawgrass - site - Divulgação
Sawgrass – site – Divulgação

Localização

O Dolphin fica próximo ao aeroporto de Miami, cerca de 15 a 20 minutos de carro, sendo prático para quem tem algumas horas livres antes do vôo, está fazendo escala ou opta por um hotel próximo ao aeroporto. Alguns hotéis disponibilizam transfer.

O Sawgrass fica em uma cidade próxima a Miami, Sunrise, a cerca de 50 km.

Tamanho x disponibilidade de tempo

Na minha opinião, qualquer que seja sua escolha, vai encontrar praticamente tudo o que procura. O Sawgrass é enorme e impossível de conhecer em um único dia. Reserve pelo menos 2 dias ou trace um bom roteiro focando exatamente o que quer. O Dolphin também é muito grande, mas possível de conhecer em um dia.

Não tem muito tempo, paciência ou disposição para andar? Vá no Dolphin sem pensar muito.

Quantidade e tipos de lojas

Em ambos os outlets é possível encontrar algumas das mais conhecidas e queridas lojas dos brasileiros, como: Aeropostale, American Eagle, Armani Exchange, Banana Republic, Calvin Klein, Forever 21, GAP, Kipling, Levi’s, Michael Khors, Nike, Polo Ralph Laurent,  Ron Jon, Toys “R” Us, Vans e Victoria’s Secret. Muitas dessas lojas são maiores e com maior variedade de itens no Sawgrass.

Algumas características:

Dolphin – cerca de 240 lojas e restaurantes. Veja lista completa aqui. Alguns diferenciais em relação ao Sawgrass: H&M, Hollister e Ross Dress for Less. Maiores lojas: Bass pro Shops, Neiman Marcus, Bloomingdale’s, Burlington, Marshalls, Forever 21, Saks, Ross Dress for Less e Polo Ralph Laurent. Mapa do outlet aqui.

Sawgrass – maior outlet da Flórida e um dos maiores dos Estados Unidos, com cerca de 350 lojas e restaurantes. Veja lista completa aqui. Alguns diferenciais em relação ao Dolphin: 7 for all mankind, Bed Bath & Beyond, Century 21, Diesel, Lego, Lacoste, Rainforest Café e Target, além de um anexo com 60 lojas de grifes de luxo, The Collonade Outlets, entre elas: Burberry, Versace, Prada, Valentino, Armani e Gucci . Maiores lojas: Neiman Marcus, Saks, Bloomingdale’s, Marshalls, Forever 21, Target, Burlington, T.J. Maxx e Bed Bath & Beyond   . Mapa do outlet aqui.

Preços e Promoções

Não percebi diferenças de preços entre as mesmas lojas existentes em ambos os outlets. Acompanhe as promoções, podendo até se inscrever para receber por email, aqui para o Dolphin e aqui para o Sawgrass. Você pode imprimir no site e levar com você.

Cupons de Desconto

Ambos os outlets oferecem cupons de desconto para visitantes (leve seu passaporte) e sugiro fortemente que passem no centro de atendimento a clientes antes de começar as compras para obter estes cupons, mesmo que alguns deles só valham para compras acima de um valor mínimo, pois garantem grandes descontos. No Dolphin é grátis e no Sawgrass custa $10. Estes cupons são independentes das promoções.

DICAS:

1 – Saiba os valores no Brasil do produto que quer comprar ou de semelhantes. Não é raro você pagar mais caro nos outlets do que no Brasil e se arrepender depois. Já aconteceu comigo com um óculos Ray-Ban.

2 – Cuidado quando estacionar o carro. Não deixe nada à vista e não leve compras para o carro para voltar ao shopping. Há vários casos de arrombamento em Miami.

3 – Marque bem onde estacionou o carro. Os estacionamentos são enormes.

4 – Vai comprar muito? Leve uma mala com rodinhas para colocar as compras. Muitos fazem isto, principalmente brasileiros. Carregar muitas sacolas não é nada agradável.

5 – Cuidado para não se empolgar muito nas compras. Além das surpresas no cartão de crédito, pela pressa, pode acabar comprando itens que nunca vai usar, com tamanho errado ou com algum defeito. O barato pode sair caro e não tem como trocar.

6 – É fácil se perder do seu pessoal nestes outlets. Caso não tenha celular ou walk talk, combine pontos de encontro em determinados horários. Uma falha aqui e muito tempo será perdido.

7 – tente chegar cedo para garantir uma boa vaga de estacionamento e aproveitar as primeiras horas do dia, que são as de menos movimento. Evite finais de semana e feriados.

E você, tem mais alguma dica?

Trilhas dos Mananciais da Serra – Município de Piraquara

20161119_155017
Represa do Carvalho
Data do passeio: 11/2016

Em um final de semana por mês (geralmente o segundo final de semana, com exceção de janeiro), a cerca de 35 kms de Curitiba, junto ao Parque Estadual do Marumbi, na Serra do Mar, as trilhas para os Mananciais da Serra são abertas para visitação. A entrada e estacionamento são gratuitos.

O complexo Mananciais da Serra, mantido pela Sanepar, abriga o conjunto de reservatórios que abasteceram Curitiba a partir de 1908. Foi o primeiro sistema de captação e abastecimento público do Paraná, composto por 17 reservatórios interligados, que levavam água até o Reservatório do Alto São Francisco, na capital, através de uma adutora de 38 km. Curitiba recebeu água exclusivamente deste sistema até 1945, quando foi inaugurada a estação do Tarumã. Hoje abastece somente a Aldeia Indígena Araçaí, ao lado do complexo.

20161119_145217
Mapa com as trilhas

São 4 trilhas: da Chaminé, do Carvalho, do Salto e um pequeno desvio na trilha do Carvalho até a Gruta da Nascente. Para fazer todas as trilhas reserve 4 horas. Fiquei no local por cerca de 2 horas e 30 minutos e deixei de fazer a trilha da Chaminé, mas espero voltar para fazer e completar este post.

Dica: não há lanchonete no local. Levar água e lanche.

Trilha do Carvalho

A trilha do Carvalho mais o desvio até a Gruta da Nascente tem cerca de 2,5 km de extensão (ida) e é feita por uma estrada de terra. Tem subidas leves, mas a caminha é muito tranquila.

A atração da trilha é a Represa do Carvalho, o principal dos 17 reservatórios e um dos 2 liberados para visitação, junto com o reservatório Carvalhinho.

Na parte de trás da Represa do Carvalho há um acesso para o reservatório do Carvalhinho.

Os demais reservatórios, subindo a serra, fazem parte de um plano futuro e exigirá uma caminhada bem mais longa. Abaixo foto de um desses reservatórios, que fica um pouco adiante da Represa do Carvalho.

20161119_153421
Um dos reservatórios fora das trilhas de visitação

Desvio da Trilha do Carvalho até a Gruta da Nascente

Após visitarmos o Carvalho, fomos até a Gruta da Nascente, onde está localizada uma das nascentes do Rio Iguaçu.

Trilha do Salto

20161119_163530
Caixa do Salto

Por uma trilha de mata, bem conservada, de cerca de 1 km de extensão (ida), você chega à Caixa do Salto, uma represa de captação de água no Ribeirão do Salto.

No início da trilha está a Casa da Memória, que serviu de moradia aos trabalhadores que construiram as represas e foi destruida por incêndio há alguns anos.

Como chegar

A região é muito bonita e o caminho de Piraquara até o complexo já vale o passeio, passando pela Barragem Caiguava, na represa Piraquara 1 e no Centro de Educação Ambiental da Sanepar, onde há um mirante e outras trilhas que, assim como a trilha da Chaminé, ficarão para uma próxima visita.

Barragem Caiguava
Barragem Caiguava

O melhor caminho é ir até Piraquara e de lá seguir as placas do Caminho Trentino em direção aos Mananciais, passando pelo Posto da Guarda da Sanepar, Barragem Caiguava e Centro de Educação Ambiental. A partir daí são cerca de 5 kms até a entrada do complexo, mantendo a esquerda no primeiro entroncamento.

Google Maps: registrar Represa Carvalho Piraquara.

Waze: o local mais próximo que consegui registrar foi Centro de Educação Ambiental – Vila Fuck – Piraquara.

Site com datas de visita para 2016 (deve ser atualizado em breve com datas para 2017)

Horário: Sábados e domingos em um final de semana por mês,  com entrada das 08:30 às 16:00 horas. Às 17:30 os passeios são encerrados.

Fotos: Marcos Pereira

Teatro Ópera de Arame

20160327_190001

Considero o teatro Ópera de Arame um dos principais e mais bonitos pontos turísticos de Curitiba.

20160402_090619
Entrada
20160402_090755
Vista da Ópera de Arame a partir da entrada
20160402_090819
Ópera de Arame e sua passarela

Com capacidade para mais de 1500 pessoas, foi inaugurado em 1992 pelo urbanista e então prefeito Jaime Lerner. Chama atenção por sua construção em estrutura tubular e teto de policarbonato transparente. Para completar a beleza da obra, está localizado na cratera de uma antiga pedreira e é acessado por uma passarela sobre um lago cheio de carpas. Tem também uma cascata artificial, nas pedras, nem sempre funcionando.

20160402_090831_001
Cascata ao fundo ao lado das pedras (desligada)

O acesso ao interior do teatro é feito pelo piso superior.

20160402_091028
Interior do teatro
20160402_091051
Teto do teatro
20160402_091214
Vista a partir do teatro
20160402_091222
Passarela vista do teatro
20160402_091247
Detalhe da passarela

Está localizado no Parque das Pedreiras, ao lado do espaço cultural Paulo Leminski (Pedreira Paulo Leminski), bastante conhecido por abrigar importantes shows na capital paranaense, com capacidade para até 20.000 pessoas.

20160402_091624
Entrada da Ópera de Arame à direita, loja de souvenirs ao centro e entrada para a Pedreira Paulo Leminski à esquerda
20160402_090649
Loja de souvenirs

Aberto de terça a domingo, das 08:00 às 20:00 horas, com entrada gratuita. Estacionamento gratuito na entrada para poucos carros. Estacionamentos particulares próximos.

20160402_090631
Estacionamento com restaurante à direita

Tempo sugerido para visita: 30 minutos ou 1 hora, se for parar para um café na cafeteira Ópera Café, no piso inferior do teatro, ou compras na loja de souvenir na entrada, ao lado do estacionamento.

Como fica próximo ao Parque Tanguá e Universidade Livre do Meio Ambiente, sugiro uma visita aos 3 locais, o que você pode fazer, tranquilamente em cerca de 3 horas.

Se tiver a oportunidade de visitar no final da tarde ou ir a um espetáculo à noite, recomendo muito, pois, como visto na primeira foto deste post e nas fotos abaixo, a iluminação noturna deixa o lugar ainda mais bonito.

20160327_190212

20160327_214024

20160328_205407

20160327_190415

20160328_210035

Único defeito do teatro é que os assentos são desconfortáveis, o que atrapalha bastante nos espetáculos mais longos.

Para quem estiver de carro, sugiro os seguintes restaurantes nas redondezas: frutos do mar – Bar do Victor; carnes – Prime Grill e massas – Mangiatto Bene. Quem quiser uma refeição mais simples e rápida, tem restaurantes bem próximos à entrada do teatro, para ir a pé.

Fotos: Marcos Pereira

1o. Festival de Cerveja de Curitiba – Abril de 2016

Combo da Cervejaria Masmorra. Foto: Naty Schultz Fotografia / Divulgação

De 15 de abril a 01 de maio acontece o 1o. Festival de Cerveja de Curitiba. Durante 17 dias, 25 bares confirmados servirão mais de 40 combos de cerveja e petisco, a um preço fixo de R$ 19,90 o combo.

Veja relação dos participantes e combos aqui.

Croa do Goré: delicioso banho de rio em Aracaju

IMG_4960

Data da viagem: 09/2015

A cerca de 20 kms da Orla de Atalaia, na praia de Mosqueiro, às margens do Rio Vaza-Barris, está a Orla Pôr do Sol, ponto de saída para conhecer um dos principais pontos turísticos de Aracaju: a Croa do Goré.

Croa do Goré é um banco de areia do Rio Vaza-Barris que aparece durante a maré baixa, ficando visível por cerca de 5 a 6 horas, sendo este o melhor período do dia para visitá-lo, permitindo relaxar na areia ou aproveitar os guarda-sóis de palha disponíveis no local.  Todo o entorno da Croa é raso, permitindo caminhar e tomar banho em uma grande área. Mesmo quando a maré começa a subir, pode-se aproveitar o local por um bom tempo.

Procurei contato pela Internet e achei uma guia, a Gil, tel (79) 9981-6946, com quem troquei mensagens pelo Whatsapp para obter informações sobre os passeios. Ela me deu 2 opções para ir à Croa do Goré: lancha (R$ 25 por pessoa – mínimo de 4 passageiros) ou catamarã, com extensão do passeio até a Ilha dos Namorados (R$ 50 por pessoa). A lancha pode sair a qualquer horário, te deixa na Croa e combina um horário para ir buscar. O catamarã tem horário de saída (fomos às 09:00 horas) e o passeio dura cerca de 5 horas. Há passeios também na parte da tarde, voltando depois do pôr do sol.

Escolhemos o passeio de catamarã e fizemos a reserva para o dia seguinte.

Maiores informações sobre o passeio de catamarã abaixo (fotos tiradas no barco e na orla):

Estávamos de carro e levamos cerca de 25 minutos para ir da Orla de Atalaia até a Orla Pôr do Sol. Estacionamento fácil e gratuito. Nos encontramos com a Gil, que nos entregou os bilhetes para o barco. Como ainda tínhamos cerca de 30 minutos antes do barco sair, demos uma volta pela Orla para algumas fotos.

20150907_084812
Orla Pôr do Sol com Ponte Joel Silveira ao fundo
20150907_084957
Orla Pôr do Sol – prática de stand up paddle

A Orla do Pôr do Sol tem este nome porque, dizem, dali é possível a observação de um pôr do sol muito bonito, mas não tivemos a oportunidade de conferir. É procurado também para esportes náuticos.

Barco atracado, fomos autorizados a entrar e vimos que acertamos no passeio: barco novo, confortável, monitores divertindo os turistas, wifi (lento), um pequeno bar com petiscos e bebidas geladas, além de uma tripulação simpática e atenciosa.

20150907_085500
Catamarã Croa do Goré

A navegação até a Croa durou cerca de 30 minutos, com belas paisagens.

IMG_4953
Vista da parte de trás do barco
IMG_4957
Vista da parte da frente do barco
DCIM103GOPROG2694236.
Chegando na Croa do Goré

Quando chegamos à Crôa do Goré, a maré estava subindo, mas foi possível aproveitar bem nossa parada lá, de cerca de 1 hora e 20 minutos, caminhando e tomando um banho maravilhoso. No local funciona um bar flutuante, com bom atendimento e preços justos para bebidas e petiscos. O bar tem banheiro e fornece mesas e cadeiras.

DCIM103GOPROGOPR4232.
Croa do Goré – banco de areia ainda visível
DCIM103GOPROG2804352.
Vista da Croa com nosso barco do lado esquerdo
DCIM103GOPROGOPR4368.
Maré subindo
DCIM103GOPROGOPR4369.
Bar flutuante ao fundo
DCIM103GOPROGOPR4374.
Nosso barco ao fundo

20150907_103541

20150907_103519_001

Deixamos a Crôa do Goré em direção à Ilha dos Namorados (30 minutos navegando).

IMG_4968
Saindo da Croa do Goré
IMG_4974
Croa do Goré ao fundo
IMG_4979
Manguezais

No caminho passamos sob a ponte Joel Silveira, que liga Aracaju ao município de Itaporanga D’ajuda.

IMG_4985
Ponte Joel Silveira

A Ilha dos Namorados também é banco de areia, bem maior que a Croa do Goré, no encontro do Rio Vaza-Barris com o mar.  Aqui não há problemas com a maré – a Ilha dos Namorados está sempre visível.

IMG_4996
Chegando na Ilha dos Namorados

Na ilha há uma estrutura bem legal, conforme mostram as fotos abaixo e é toda montada pelos proprietários do catamarã, especialmente para os passageiros da embarcação. Não se preocupe em sair rápido do navio, pois há lugar com folga para todos.

IMG_4997
Chegada na Ilha dos Namorados
IMG_5007
Bóias para as crianças

Dica: normalmente aqui você estará com um pouco de fome e, se quiser comer algo antes do retorno, é a hora de pedir, pois o bar é pequeno e os petiscos demoram muito para sair.

Passamos aqui 2 horas entre caminhadas e banhos do mar, além de relaxar tomando uma cervejinha gelada.

DCIM103GOPROGOPR4450.
Barco ao fundo
DCIM103GOPROGOPR4466.
Pequenas “lagoas” na Ilha dos Namorados

IMG_4998

20150907_122614

20150907_122615

IMG_5001

No caminho de volta (cerca de 30 minutos de navegação) aproveitamos novamente o bonito visual.

IMG_5014
Deixando a Ilha dos Namorados
IMG_5015
Ponte Joel Silveira
IMG_5018
Pessoal curtindo às margens do rio
IMG_5035
Chegando na Orla Pôr do Sol

Após desembarcar, sugiro 2 programas: aproveitar um dos restaurantes ou bares ao redor da Orla e aguardar o pôr do sol ou aproveitar o resto da tarde em uma das barracas no caminho de volta ao hotel (veja dicas de barracas aqui).

No final da viagem, conversando com a proprietária do barco, ficamos sabendo que trata-se da mesma empresa que faz os passeios para o Cânion do Xingó (post em breve).

Veja também:

O que tem para fazer em Sergipe?

Centro Histórico de Aracaju

Fotos: Marcos Pereira